in

É tudo cerveja? Decreto do Governo libera uso de leite e mel na cerveja

Agora é tudo cerveja! O movimento da cerveja artesanal brasileira está ganhando cada vez mais força. Na última segunda-feira (8), uma nova deliberação foi assinada pelo presidente Jair Bolsonaro, e isso promete impulsionar ainda mais o mercado das artesanais no país. O Decreto Nº 9.902 prevê algumas mudanças sobre a padronização, classificação, registro, inspeção, produção e fiscalização de bebidas no Brasil. Com isso, um novo modelo de identidade e qualidade da cerveja passará a entrar em vigor. A atualização do Decreto do Governo libera uso de leite e mel na cerveja.

O principal destaque da norma, segundo Carlo Lapolli, presidente da Associação Brasileira de Cerveja Artesanal (Abracerva), é a permissão de adição de outros ingredientes, inclusive de origem animal, como leite e mel na cerveja. “Antes, os rótulos que traziam esses itens eram classificados como bebidas mistas. A partir de agora, entram na categoria de cerveja. Essa é uma mudança fundamental e de grande avanço para o universo das artesanais, pois permite a criação de produtos ainda mais diferenciados”, afirma.

7 motivos para você participar do aniversário do Clube do Malte – E não só pelos descontos!

Outra questão importante é que o decreto libera o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) para a edição de nova Instrução Normativa (IN) para padronizar as questões de rotulagem. “A IN deverá simplificar o registro de novos produtos, alterando, por exemplo, a classificação quanto ao extrato primitivo (quantidade de substâncias do mosto que deu origem à cerveja) e cor, entre outras informações técnicas”, diz Lapolli. Para que isso passe a valer, ainda é preciso a regulamentação do Mapa. “A Instrução Normativa (IN) já passou por consulta e audiência pública e, agora, será encaminhada para publicação”, afirma Carlos Müller, coordenador geral de vinhos e bebidas da instituição.

A a alteração no decreto prevê que ” a cerveja poderá ser adicionada de ingrediente de origem vegetal, de ingrediente de origem animal, de coadjuvante de tecnologia e de aditivo a serem regulamentados em atos específicos.

Segundo o presidente da Abracerva, essas alterações vêm para somar ao mercado das cervejas artesanais. “Essa era uma discussão antiga dentro do movimento cervejeiro. Ficamos felizes que finalmente saiu do papel. Acreditamos que, a partir dessas normas, a cerveja artesanal só tem a ganhar com inovação e mais qualidade”, comenta.

Fontes: Abracerva e Valor Econômico

Deixe uma resposta

O QUE VOCÊ ACHOU?

Escrito por Ana Paula Komar

Jornalista, apaixonada por história, curiosa por culturas e apreciadora de boas cervejas!

InicianteVisualizaçãoEscritorVotação

Resilience IPA – a cerveja criada para ajudar as vitimas do Camp Fire

4 Harmonizações de cerveja com pizza