in

Eisbock, um “licor” de cerveja congelada

Já imaginou um sorvete de cerveja? Calma, a Eisbock não é bem isso, mas quase. Sua pronúncia é “ice-bock” e a tradução literal seria “Bock de gelo”, informações que explicam muito sobre esse estilo.

A Eisbock consiste basicamente numa Doppelbock que, depois de produzida, é congelada e filtrada. Com isso, o álcool, que possui ponto de congelamento em temperatura mais baixa, acaba sendo separado da água e de possíveis sedimentos.

O resultado é uma cerveja de perfil maltado, com dulçor bem aparente e muito alcoólica. Muito mesmo! Alguns dos rótulos dessa categoria perfilam entre as brejas com maior teor alcoólico do mundo.

Deliciosa punição

A origem da Eisbock não é documentada, então não podemos ter total convicção de como ela surgiu. Contudo, uma lenda é amplamente difundida entre os cervejeiros. Segundo essa história, o estilo surgiu por acaso nos anos 1890 na Alemanha, mais precisamente na cervejaria Reichelbräu (hoje chamada Kulmbacher), em Kulmbach.

O cervejeiro responsável da época teria pedido para que alguns barris de Bock recém-finalizados fossem movidos para o ambiente de maturação. O funcionário que recebeu a tarefa, já cansado após o longo dia de expediente, resolveu terminar o transporte no dia seguinte e teria deixado as barricas ao relento por toda a madrugada.

Cerveja Oud Bruin – o estilo que dá um nó no seu paladar

Era período do rigoroso inverno alemão, então você já pode pressupor o resultado. O líquido congelou quase que em sua totalidade, restando apenas um licor espesso e marrom no centro. No dia seguinte, ao descobrir o ocorrido, o cervejeiro chamou os responsáveis e aplicou a punição: beber o que havia restado nos barris.

Para a surpresa de todos, aquela se tornou uma deliciosa penitência! Tanto que os cervejeiros da região começaram a reproduzir o procedimento com Doppelbock, originando então essas deliciosas bebidas que chamamos hoje de Eisbock.

Álcool pra ninguém botar defeito

Tendo tudo isso em mente, não é difícil imaginar algumas das características da Eisbock. Ela é uma Lager de coloração cobre a marrom-escuro, tendo exemplares que trazem ainda reflexos rubí. Geralmente, são cervejas límpidas por passarem por longos períodos de maturação em baixas temperaturas — processo usado para “suavizar” a presença do álcool na bebida após a filtragem do líquido congelado.

No aroma, o estilo pede equilíbrio do malte com a presença do álcool e notas de frutas escuras, como uvas passas e ameixas. Os sabores têm como predominância os maltes, remetendo a nuances tostadas, de caramelo e, ocasionalmente, de chocolate. O amargor do lúpulo é quase inexistente, serve apenas para ajudar o álcool na compensação do dulçor potente promovido pelos grãos. A ideia é não deixar a cerveja enjoativa.

A baixa carbonatação combinada à alta presença do álcool proporciona uma consistência mais viscosa, lembrando licores. Se você balançar a taça em movimentos circulares (sutilmente pra não desperdiçar esses néctares, é claro), poderá perceber ainda a presença das chamadas “pernas” ou “lágrimas de álcool”, que nada mais são do que os rastros deixados por ele nas bordas do copo.

Resumidamente, o álcool numa Eisbock deve ser perceptível, mas suave. Sem queimar ou trazer sensações de solventes. Embora o Beer Judge Certification Program (BJCP) aponte que o estilo possui ABV de 9 a 14%, comercialmente não é difícil encontrar rótulos com mais de 20% — e o próprio BJCP cita a existência de exemplares com até 33% de teor alcoólico.

São cervejas que não possuem alta drinkability, e até nem devem ser consumidas em grandes quantidades. Uma garrafa é suficiente para você se deliciar com aromas e sabores potentes, além de ficar mais alegre do que de costume! Se tiver a oportunidade, não deixe de experimentar uma Eisbock.

Alguns exemplares de Eisbock:

Um dos mais tradicionais rótulos do estilo é o Kulmbacher Eisbock, produzido pela cervejaria, que a lenda referencia como criadora da categoria. É complicado de comprar ele no Brasil, mas outras opções tradicionais mais facilmente encontradas por aqui são a Schneider Aventinus Eisbock e a Southampton Eisbock.

Recentemente me deparei com a Freigeist Strawberry Eisbock Forever Vintage, uma Eisbock que leva morango na receita. Ainda não a degustei, mas estou bastante curioso pra descobrir o que essa combinação pode oferecer!

Vale mencionar que alguns desses rótulos estão disponíveis no Clube do Malte.

 

 

Deixe uma resposta

Escrito por Fernando D'Aquino

Produtor de conteúdo apaixonado por tecnologia, games, esportes e, principalmente, cerveja de qualidade!

Escritor

Carbonade Flamande na cerveja Chicago Blues & Underground

É hora de tomar a sua cerveja em casa!