in

Harmonização: Opções fáceis para cervejas leves

Mais um mês em isolamento social. Força, camarada! Estamos todos juntos neste barco. E, se nesse post conceituamos uma breja forte, nesta edição seguiremos o caminho contrário. Falando sobre cervejas fortes, aprendemos que quatro fatores costumam ser levados em conta para definirmos a força de uma cerveja: amargor intenso, corpo alto, teor alcóolico e as vezes a cor (esse fator é mais levado em conta a partir do tempo de torra do malte). Esses elementos nem sempre tem a ver com a drinkability – a exemplo na Imperial IPA, que pode ser considerada uma cerveja forte por conta do seu acentuado amargor e alto teor alcóolico. Mas quando estamos falando de cervejas leves, parece que uma alta drinkability está diretamente associado a essa experiência.

Não é à toa que o que chamamos de “Cervejas leves” costumam figurar presença nas rampas de degustação para iniciantes no universo de cervejas especiais, afinal elas são também cervejas mais fáceis de beber. Se levarmos em conta o amargor, por exemplo, este gosto costuma necessitar desenvolvimento para ser tolerado em grande quantidade. Alimentos venenosos ou envenenados costumam ter este gosto, daí a rejeição como traço evolutivo. Por este motivo não oferecemos uma IPA de qualquer natureza a um iniciante. Já uma Witbier pode ser mais facilmente absorvida e desejada.

Já que vamos levar em conta a contramão do que é considerado “pesado”, aqui eu escolhi cervejas do catálogo do Clube do Malte, para você pedir e receber no conforto da sua casa, harmonizando com pratos fáceis durante esses dias difíceis. Então, ao som de Hey Jude dos Beatles, espero que essa seleção de cervejas e pratos harmonizados seja como um “Orgulhoso de vocês!” de pai, um abraço de mãe e um beijo de namorada(o) dentro dessa sua quarentena. Vamos nessa!

Opções de harmonização com cervejas leves:

Köstritzer Schwarzbier

cervejas leves

Na edição anterior eu trouxe a Guinness como indicação de cerveja preta. Aqui nós vamos de Schwarzbier, um estilo de cerveja escura tradicionalmente alemã e bem leve, por fazer parte da família das Lagers. Essa tem um característico aroma de pão, leve chocolate amargo e nuts. Corpo médio-baixo, teor alcoólico moderado, de 4.8%. Muito consumida na Alemanha é bem equilibrada entre torra de malte e lúpulo herbal levemente floral característico da escola. Harmoniza bem com petiscos leves, uma taboa de frios e bolo de chocolate.

Blue Moon

cervejas leves

A atual queridinha de todos. A cerveja mais famosa dos Estados Unidos. Essa deliciosa Witbier está presente em seriados, filmes e já dominou o mercado cervejeiro. Corpo leve, carbonatação média e notas de casca de laranja e sementes de coentro. Essa cerveja tem amargor muito baixo e é super refrescante. Excelente pra mandar com aquela salada caesar, frutos do mar e omelete.

Partido Alto

Essa American Lager é exclusiva do Clube do Malte. O paladar do brasileiro já está acostumado com esse estilo, e se for servida num copo americano, pode mandar você de volta praquele boteco que você frequenta todo fim de semana. É super refrescante, amarela dourada, e com notas que remetem a miolo de pão. Uma cerveja com uma excelente drinkability e super fácil de beber.  Vai muito bem com petiscos, com aquela batatinha frita, uma boa taboa de frios e pão com patê de gorgonzola.

Guaya Bomb

cervejas leves

Pra variar um pouquinho coloquei essa Berliner Weisse de respeito, feita pela cervejaria Lobos. Uma breja super saborosa. Eu costumo indicar este estilo pra que me diz que não gosta de cerveja. Embora muito leve, esta breja quebra a expectativa de amargor (comum das cervejas) e traz acidez característica do estilo, carbonatação média-alta e notas maravilhosas de frutas tropicais, principalmente de goiaba que vem da adição da fruta na cerveja. Aqui vamos harmonizar com caldo de sururu, ceviche e um bom pão caseiro de fermentação espontânea.

Torço pra esta seleção te trazer boas experiências. Afinal, investir em boas sensações, agora, parece ser extremamente importante. Embora saibamos que nenhuma breja, nem nenhuma refeição, será mais saborosa do que a que teremos quando reencontrarmos os nossos.

Saúde!

Deixe uma resposta

Escrito por Carlos Henrique Kruschewsky

Psicólogo, psicanalista, presidente do Dragornia Moto Club, Beer Sommelier, Homebrewer e Sócio da Dragornia Cervejaria.

Escritor
cerveja stout

Stout – A potência dos maltes escuros

Hard Seltzer

Hard Coffee, Hard Cider, Hard Seltzer – novas bebidas no mercado americano