in

Sementes como adjunto cervejeiro – Como elas agem na bebida?

cerveja com adjunto

Para fazer uma cerveja basta usar os quatro insumos essenciais: água, malte, lúpulo e levedura. Apenas com eles é possível criar uma infinidade de receitas diferentes, com cores, aromas e sabores diversos. Basta combinar o nível de torra do malte, um tipo específico de levedura, uma espécie de lúpulo e novas variações e estilos de cerveja são produzidos. Mas isso não impede que diferentes ingredientes passem a fazer parte de uma receita de cerveja para agregar ainda mais aromas e sabores à ela, esses ingrediente são conhecidos como: adjunto cervejeiro.

No processo de produção da cerveja esses ingredientes adicionais são chamados de adjuntos, que passam a fazer parte de muitas receitas e alguns deles têm o objetivo de proporcionar uma nova experiência sensorial ao degustador.

Entre os adjuntos, o mestre cervejeiro pode escolher uma série deles: ervas aromáticas, frutas, especiarias, condimentos e, as nossas anfitriãs do mês, as sementes. “No contexto de produção de cervejas, considera-se adjunto qualquer ingrediente que não seja água, malte, lúpulo ou levedura. Quase tudo pode ser um adjunto: grãos não maltados, açúcares, frutas, flores, ervas, especiarias e, no nosso caso, a semente”, explica Alessandro Oliveira, mestre cervejeiro da Way Beer.

A escolha desses ingredientes tem o poder de alterar o sabor final da bebida, transformando a cerveja em vários aspectos, desde seu corpo e cor, até seu aroma e sabor. “As sementes aportam aromas e sabores para a cerveja e são usadas em conjunto com os outros ingredientes, principalmente os maltes, para trazer complexidade e personalidade à cerveja”, comenta Alessandro.

Como as sementes são usadas na cerveja?

A cerveja passa por várias etapas de produção para se chegar ao produto final, entre elas estão mostura, filtragem, fervura, fermentação, maturação e, por fim, envase. O momento em que determinado ingrediente entra na cerveja vai depender do resultado que se espera dela.

O lúpulo, por exemplo, se for adicionado no início da fervura, trará mais amargor para a bebida; se for incorporado entre os 30 a 15 minutos finais da fervura, deve trazer mais sabor; já, quando utilizado o método de dry hopping, através do qual ele é adicionado durante o final do ciclo de fermentação ou até mesmo durante a maturação da cerveja, tem o objetivo principal de trazer perfumes intensos para a cerveja.

No caso das sementes, elas normalmente são usadas no final da fervura do mosto e também na maturação, justamente para extrair mais o seu sabor e aroma para a cerveja. 

Em quais estilos é mais utilizado o adjunto cervejeiro ?

As sementes mais comuns usadas em cervejas são: coentro, baunilha, café, cacau, avelã, castanhas e nozes. Elas podem ser adicionadas em diversos tipos de cerveja. O estilo Witbier, por exemplo, é característico por ter em sua produção o uso de sementes de coentro. 

“Acredito que possam ser usadas em todos os estilos. Aqui entra a criatividade e o bom senso de qual semente irá casar com o estilo. Quanto aos mais indicados vai depender da semente. Por exemplo, a de coentro casa bem com estilos que pedem refrescância ou picância como Witbier, Triple ou Blond Ale. Já uma semente como cumaru, que aporta um perfil complexo de baunilha, amêndoas e tabaco casa com estilos maltados e com estrutura como Imperial Porter ou Russian Imperial Stout”, complementa Alessandro.

O Guia de Estilo BJCP (Beer Judge Certification Program) possui a categoria Spiced Beer, dedicada às cervejas com ervas, vegetais e especiarias. O Guia usa definições de especiarias, ervas e vegetais comuns ou empregadas em culinária, e não aquelas botânicas ou científicas. 

Na condição de especiarias, esse documento considera as sementes secas, vagens de sementes, frutas, raízes e cascas das plantas usadas para aromatizar alimentos. O uso de nozes, pimentas e café também é classificado de acordo com essa categoria. O BJCP ressalta que o equilíbrio geral é a chave para uma boa cerveja feita com especiarias, que devem complementar o estilo original e não o esconder.

“O uso de sementes vem ganhando espaço nas cervejas artesanais, praticamente em todos os estilos. Antigamente era mais comum em cervejas belgas, com o uso de semente de coentro, mas hoje vemos desde Porter com avelã até Milk Shake IPA com baunilha”, destaca Alessandro.

 

Deixe uma resposta

Escrito por Ana Paula Komar

Jornalista, apaixonada por história, curiosa por culturas e apreciadora de boas cervejas!

InicianteVisualizaçãoEscritorVotação
cozumel

Cozumel, a Radler do Brasil!

cerveja stout

Stout – A potência dos maltes escuros