Historia Sensorial Serviço Harmonização BJCP

IRISH RED ALE

Superação saborosa e em grande estilo

Origem:
Irlanda

Data:
1710

A Irlanda é um país de longa tradição na produção de cervejas, sendo uma das regiões precursoras da Escola Inglesa, que também é chamada de Escola Britânica exatamente por envolver mais países além da Inglaterra nessa empreitada cervejeira.

Entre as brejas criadas na Ilha Esmeralda (apelido da Irlanda por suas exuberantes paisagens), uma delas surgiu a partir da criatividade dos cervejeiros irlandeses para driblar a falta de recursos, reduzindo a quantidade de lúpulo e substituindo parte dos maltes claros tradicionais (e mais caros) por tipos com maior nível de torrefação, na tentativa de reproduzir as populares Bitters, ou English Pale Ales - aproveita para conferir também esse curso clicando aqui.

O resultado foi um líquido de coloração avermelhada, com uma pegada mais maltada, final seco e amargos mais sutil do que sua “irmã” inglesa, ou seja: uma bebida mais leve e equilibrada para a época. Essa breja ficou conhecida mais tarde como Irish Red Ale.

O problema é que essas características acabaram não cativando muito o paladar dos bebedores de cerveja irlandeses, que estavam acostumados com as tradicionais Porters e Stouts (outros estilos que você também pode conhecer melhor com este curso), acabando sempre como uma coadjuvante dessas outras categorias. Assim, a Irish Red Ale fez mais sucesso em outros países do que na sua própria terra natal.

Pra guindo ver e beber

Muito se especula sobre a real criação da Irish Red Ale, assim como acontece com diversos outros estilos de cerveja. Apesar de algumas hipóteses circularem no meio cervejeiro, o relato mais aceito é de que ela tenha surgido em 1710 na cervejaria Smithwicks, localizada na cidade de Kilkenny, na Irlanda, tendo sua receita reproduzida por diversas outras marcas, colaborando para a disseminação desse tipo de breja mundo afora.

Contudo, o nome Irish Red Ale não teve uma definição tão “espontânea”. O termo, na verdade, ganhou notoriedade graças a influência de Michael Jackson, não o cantor pop mas sim o jornalista e um dos críticos cervejeiros mais respeitados do mundo.

O escritor e apresentador desembarcou na Ilha Esmeralda com seu documentário Beer Hunter (“Caçador de Cerveja” na tradução para o português), veiculado no fim da década de 80, e nas publicações que realizou em decorrência dele acabou adorando o prefixo “irish”, que significa irlandês, para referenciar as bebidas avermelhadas que encontrou por lá.
Por todo esse contexto um tanto quanto midiático, há muita controvérsia entre os especialistas do universo cervejeiro, não apenas em relação ao nome Irish Red Ale, mas inclusive se ela realmente se trata de um estilo próprio. Apesar dessas polêmicas, a categoria está presente no BCJP, um dos guias de estilos mais usados para concursos cervejeiros, e o que é mais importante para nós, apreciadores de boas cervejas: ela oferece belas experiências de degustação!

MAIS MALTE, POR FAVOR!

Como vimos, a Irish Red Ale tem lá suas raízes com um pézinho na Inglaterra, e não por menos, muitos a consideram como uma versão irlandesa da English Bitter, só que com amargor e lupulagem mais atenuados. Diferente da sua prima inglesa, que pesa na quantidade de lúpulo, essa breja tem uma pegada muito mais maltada.

Os maltes usados, alguns com um nível de torrefação intermediário, promovem a coloração que varia de âmbar a cobre, mas que tem uma persistência mediana. Ah, e o líquido geralmente é límpido, ou seja, dá pra enxergar com facilidade o que está do outro lado do copo.

COPO SUGERIDO:
Pint ou Pokal

TEMPERATURA IDEAL:
7 A 10ºC

Se você já aproveitou outros dos nossos cursos, com certeza já entendeu um fato importante na hora de degustar suas cervejas: apesar de não ser uma regra talhada em pedra e que seja um sacrilégio não segui-la, servir a cerveja no copo ideal faz diferença na sua experiência de consumo.

E com a Irish Red Ale não seria diferente. Para aproveitar ao máximo o que ela tem a oferecer, especialmente se estiver em temperaturas entre 7 ºC e 10 ºC, você pode usar dois modelos de copos ideais:

Pint

O tradicional copo dos pubs ingleses e irlandeses. Seu formato é simples e eficiente, formando uma espécie de cone invertido, com a base mais estreita que a boca sendo unidas por laterais retas, facilitando o manuseio do copo e a liberação dos aromas.

Pokal

Esse copo na verdade é bastante versátil, possuindo corpo arredondado com altura e largura medianas e boca um pouco mais estreita que sua “cintura”. Esse desenho ajuda a preservar e amplificar a percepção de aromas mais delicados, como são os do malte (incluindo amendoado, caramelo e chocolate).

Além disso, esse estilo também pode ser facilmente encontrado enchendo as Canecas dos irlandeses, já que é uma breja fácil de ser bebida e com teor alcoólico relativamente baixo, costumeiramente bebida em grandes quantidades. Na hora de servir uma Irish Red Ale, não se preocupe pois ela não demanda nenhuma técnica especial. Basta você:

Posicionar o copo na diagonal, formando um ângulo de aproximadamente 45º; Colocar o líquido até alcançar metade do copo; Reposicionar o copo na vertical; Terminar de preencher; Aproveitar sua breja!

CARPACCIO

BURRITOS

ENCHILADAS

CORINGA DA HARMONIZAÇÃO!

Retomando um pouco do tópico de características sensoriais, podemos resumir a Irish Red Ale como uma breja maltada, baixo teor alcoólico, com notas tostadas e dulçor em evidência (todas com aspectos sutis, sem nenhuma extravagância), além de amargor totalmente em segundo plano. Assim, ela é uma cerveja equilibrada e amena.

Portanto, na hora de pensar numa harmonização para sua Irish Red Ale é importante ter isso em mente e combiná-la com pratos sem grande intensidade, de sabores moderados, caso contrário o sabor da bebida será “engolido” pelo da comida. E essa não é nem de perto a finalidade de harmonizar cerveja com refeição.

Essas nuances mais tostadas presentes nas Irish Red Ales, por exemplo, caem muito bem com alimentos assados, principalmente carnes e aves, pois ganham alguns aspectos caramelizados e defumados promovidos pelo calor e o fogo. Portanto, pode incluir uma Irish Red Ale nos seus churrascos de domingo sem medo!

O estilo também vai muito bem com sopas para ajudar a espantar o frio do inverno, até mesmo por não precisar estar estupidamente gelada para ser consumida. Além disso, a Irish Red Ale, por ter esse dulçor em destaque e corpo médio, pode combinar com pratos levemente picantes, ajudando a equilibrar a picância da comida. Mas vale o reforço: receitas moderadamente picantes.

Confira algumas dicas de pratos pra você curtir suas Irish Red Ales ainda mais:
Espaguete bolonhesa; Pizza marguerita ou calabresa; Frango grelhado com barbecue; Ratatouille; Channa masala; Burritos; Carpaccio; Pimentão recheado com carne moída; Enchiladas; Sopa de cogumelos.

Irish Red Ale

Impressão Geral: Um pint de cerveja fácil, muitas vezes com sabores sutis. Ligeiramente maltada no balanço, às vezes apresenta um suave dulçor inicial de caramelo/toffee, um paladar ligeiramente de grãos e biscoito e um toque de secura tostada no final. Algumas versões podem destacar mais o caramelo e o dulçor, enquanto outras favorecem o paladar de grãos e a secura tostada.

Aroma: Baixo a moderado aroma de malte, seja de grãos neutros ou com uma leve caráter de caramelo tostado e toffee. Pode ter um caráter amanteigado muito leve (embora isso não seja requerido). O aroma de lúpulo é baixo ou nenhum (normalmente ausente), se presente, terroso ou floral. Muito límpida.

Aparência: Cor âmbar médio a cobre avermelhado médio. Limpidez transparente. Baixa formação de espuma bege clara a bronzeada, de persistência média.

Sabor: Sabor de malte caramelo moderado a muito baixo, raramente com um leve amanteigado como toffee. Na boca é na maioria das vezes bastante neutra e granulada (grainy), ou pode ter uma nota ligeiramente tostada ou de biscoito no final, com um leve sabor de grãos tostados, que proporciona uma característica de secura no final. É opcional um sabor de lúpulo levemente terroso ou floral. Final semi-seco a seco. Limpa e suave. Pouco ou nenhum éster. O balanço tende a ser ligeiramente voltado para o malte, embora o uso de grãos tostados, ainda que baixo, possa aumentar a percepção de amargor.

Sensação de Boca: Corpo médio-baixo a médio, embora os exemplares contendo baixos níveis de diacetil podem ter uma sensação de boca ligeiramente escorregadia (não obrigatória). Carbonatação moderada. Macia. Moderadamente atenuada.

Estatística Vital:
OG: 1.036 – 1.046
FG: 1.010 – 1.014
SRM: 9 – 14
IBU: 18 – 28
ABV: 3.8 – 5.0%

Você está no Beer Brokers. Ir para o Clube do Malte